Com 99 doses, Guiratinga dá início à vacinação contra Covid-19

O médico Dr. Antônio Dourado, 75 anos, foi o primeiro vacinado pela técnica de enfermagem Joanice Vieira de Souza, 53, em ato simbólico foi realizado nesta sexta-feira (22), na unidade Programa Saúde da Família – PSF 1. A cerimônia contou com a presença do prefeito Waldeci Barga Rosa (DEM), da vice-prefeita Fátima Martini (DEM), da secretária Municipal de Saúde Nany Nascimento.

Logo foi a vez da idosa institucionalizada (moradora do asilo Casa Gaetana) Maria Graças Firmino, 63, a Fia. Ela foi vacinada na sede do asilo. Esta é apenas a primeira etapa do processo de imunização.

A vacinação contra Covid-19 será realizada em quatro fases, sendo eles: trabalhadores da área de saúde, a população idosa – acima de 75 anos ou com 60 anos ou mais que vivem em asilos e instituições psiquiátricas – e a população indígena, informou o Ministério da Saúde.

O prefeito destacou o importante momento do Brasil e de outros países que iniciaram a vacinação. “Com a vacina temos esperança de dias melhores e, logo em breve essa doença será controlada. Nós concordamos que são poucas doses, mas já é o início de um novo tempo. Todo processo vai atender as orientações estabelecidas e com transparência e, até que a vacina alcance todas as etapas vamos nos cuidar, manter o distanciamento social ,manter a higienização das mãos e continuar o uso das máscaras”, afirmou.

A secretária de Saúde Nany Nascimento ressaltou que a população precisa ter um pouco mais de paciência, pois logo chegará a vez de todos.

“Nós tínhamos a esperança da vacina, mas ela ainda passava por estudos, outras marcas estão empenhadas para tão logo aumentar a produção, enquanto isso vamos ter calma. Para que todos tenham uma noção mais clara, nesta primeira vacinação menos de 1% da população será vacinada, porém, com os profissionais de saúde imunizados, temos a garantia da segurança deles para que possam continuar o combate contra a doença”, pontuou.

Na oportunidade o prefeito lamentou as mortes por decorrência da doença. “A gente se entristece pelas perdas que tivemos com a doença, sabemos que ainda teremos problemas, mas se nos unirmos e seguir as medidas de segurança podemos evitar novas fatalidades”, ressaltou.

Fonte: Estadão Mato Grosso. Link de Acesso.